Deputada holandesa expressa preocupações sobre legislação de jogos de azar on-line

Thawanny há 8 meses
Deputada holandesa expressa preocupações sobre legislação de jogos de azar on-line

Em uma ação que tem gerado intenso debate e controvérsia, a deputada holandesa Anne Kuik, membro do Parlamento Holandês e do partido Apelo Democrata Cristão (CDA) do país (na foto acima), lançou uma iniciativa para reverter a legalização do jogo on-line regulamentado nos Países Baixos. A iniciativa visa desfazer a Lei de Jogos Remotos (KOA), que oficialmente sancionou o jogo on-line em outubro de 2021, após anos de debate político. Essa legislação histórica trouxe uma onda significativa de mudanças, com o jogo on-line gerando mais de € 1 bilhão em receita bruta de jogos (GGR) em 2022.

Preocupações com o jogo on-line

Anne Kuik está profundamente preocupada com o impacto dessa legalização na sociedade holandesa. Segundo ela, “como resultado da lei, o jogo se tornou normalizado, e os jovens foram levados a um mundo de vício”. Ela insiste que essa normalização do jogo on-line representa um risco significativo para a geração mais jovem, levando-os em direção ao perigoso apelo do vício.

Kuik vai além ao argumentar que a Lei de Jogos Remotos é um produto do que ela chama de “vento neoliberal predominante” na política holandesa. Nesse ambiente político, ela argumenta que a busca pelo lucro e pelo livre mercado tem prioridade sobre a proteção dos membros vulneráveis da sociedade. A liberalização do mercado, em sua visão, levou a um aumento de 450.000 indivíduos envolvidos em atividades de jogo, dos quais 21% são jovens adultos.

Movimento crescente por regulamentação mais rígida

Para fortalecer seu argumento, Anne Kuik faz referência ao Relator Nacional sobre Vícios, Arnt Schellekens, cujo relatório publicado no mês passado destacou que o jogo on-line “causa problemas desnecessários para muitas pessoas, desde dívidas até depressão e tendências suicidas”. A preferência primária de Kuik é ver o jogo on-line totalmente proibido. Como opção secundária, ela sugere que o governo holandês deve operar um mercado de jogos de azar sob condições rígidas, permitindo apenas que empresas estatais participem. “Devemos revogar imediatamente as licenças das empresas de jogos de azar que não cumprem seu dever de cuidado e revogar seu direito de oferecer jogos de azar”, afirma.

A principal preocupação de Kuik é a normalização do jogo on-line desde a implementação do KOA. Ela acredita firmemente que anúncios de jogos de azar criam uma ilusão de dinheiro fácil e projetam um ambiente festivo e alegre que ela considera totalmente enganador.

Legislação na Holanda

A iniciativa de Anne Kuik faz parte de um movimento mais amplo na política holandesa que questiona as leis nacionais de jogos de azar atuais. Por exemplo, a líder da União Cristã, Mirjam Bikker, expressou preocupações, perguntando quantos mais viciados em jogos de azar devem ser criados antes que a liberalização do mercado seja revertida. Anne Kuik permanece firme em seu compromisso com sua iniciativa, afirmando: “Quero colocar a lei da iniciativa na pauta em um futuro próximo e espero poder continuar com ela após as eleições. Caso contrário, um sucessor pode assumir meu lugar.”

A Autoridade de Jogos dos Países Baixos (KSA) tomou medidas para implementar restrições desde outubro de 2021, a fim de tornar o jogo on-line mais seguro para os consumidores. As medidas incluíram a proibição de anúncios de jogos de azar na televisão a partir de julho deste ano e a futura proibição do patrocínio de jogos de azar em esportes a partir de 2025. Operadores licenciados também têm proibido o uso de “modelos de referência” em seus materiais de marketing, incluindo celebridades, influenciadores e atletas profissionais.

A discussão sobre o futuro do jogo on-line nos Países Baixos deve se intensificar nos próximos meses, à medida que políticos, autoridades regulatórias e cidadãos preocupados lidam com as ramificações da legalização do jogo on-line em um cenário em constante mudança. Os resultados dessas discussões provavelmente moldarão o futuro dos jogos on-line no país, à medida que buscam encontrar um equilíbrio entre interesses econômicos e a proteção do bem-estar da população.

Artigos relacionados:

Próxima parada da SiGMA: Malta – 13 a 17 de novembro

Tratar ativos criptográficos como uma forma de jogo representaria um risco (sigma.world)

Share it :

Recomendado para você
Lea Hogg
há 1 dia
Christine Denosta
há 1 dia
Jenny Ortiz
há 1 dia
Júlia Moura
há 2 dias