Como a IoT e a Realidade Virtual estão moldando o futuro do iGaming

Lea Hogg há 2 meses
Como a IoT e a Realidade Virtual estão moldando o futuro do iGaming

A Internet das Coisas (IoT) está transformando a indústria de iGaming, aprimorando a experiência do usuário e possibilitando serviços mais personalizados. A IoT permite que jogadores on-line joguem simultaneamente com jogadores de cassinos físicos, conectando-os pela internet. Além disso, ela viabiliza uma maior personalização, coletando dados analíticos mais detalhados sobre cada jogador. Como resultado, um operador pode criar um espaço personalizado repleto de jogos, temas e ofertas especialmente adaptados aos jogadores em todos os seus dispositivos conectados.

O Professor Alexei Dingli, em entrevista à SiGMA News, explicou que as tecnologias imersivas de hoje, como Realidade Virtual (VR) e Realidade Aumentada (AR), estão revolucionando as experiências de iGaming. “Headsets avançados como o Apple Vision Pro e o Quest 3”, diz ele, “não são apenas ferramentas, mas portais para novos domínios de interação”. Ele compartilhou suas ideias sobre como essas tecnologias estão transformando tudo, desde como aprendemos, trabalhamos e jogamos, até a fusão dos mundos físico e digital.

Dingli descreveu como a transformação nos esportes e iGaming, impulsionada por avanços tecnológicos, também está causando um impacto significativo nas apostas esportivas. Isso inclui mudanças na estrutura das atividades de apostas, o surgimento de novas formas de fraudes e o desenvolvimento de ferramentas de IA para mitigar esses riscos.

“Até mesmo a maneira como assistimos aos esportes evoluiu, com jogos como futebol, basquete e Fórmula 1 se desenrolando em nossas mesas de café, enriquecidos por análises impulsionadas por IA que preveem o desempenho dos jogadores e os resultados dos jogos.”
Professor Alexei Dingli

No contexto da disputa entre Mark Zuckerberg e a Apple sobre os óculos de Realidade Virtual, as implicações da IoT no iGaming tornam-se ainda mais significativas.Mark Zuckerberg, CEO da Meta, tem expressado de forma contundente sua convicção de que o headset de Realidade Virtual Quest 3 da Meta supera em qualidade o Vision Pro da Apple. Ele argumenta que o Quest 3, como concorrente indireto do Vision Pro, é “sete vezes menos caro” e mais adequado para casos de uso móvel, como jogos e fitness.

Essa rivalidade destaca o potencial da IoT para aprimorar a experiência de jogo. Por exemplo, o recurso de passagem do Quest 3, que usa câmeras na parte externa do headset para fornecer aos usuários uma transmissão de vídeo ao vivo em alta definição de seus arredores, permite que os usuários usem o headset enquanto caminham ou se exercitam. Esse tipo de experiência imersiva, possibilitado pela IoT, pode ser um fator decisivo na indústria de iGaming.

No entanto, é importante observar que, enquanto a IoT traz inúmeros benefícios, também apresenta desafios, como preocupações com segurança de dados e privacidade. Portanto, à medida que a indústria de iGaming continua a aproveitar a IoT, também deve investir em medidas robustas de segurança para proteger os dados e a privacidade dos usuários.

Impacto das tecnologias emergentes

A integração da Inteligência Artificial (IA) nas tecnologias de Realidade Aumentada (AR) e Realidade Virtual (VR) para jogos está revolucionando a indústria de jogos on-line. As tecnologias de IA e aprendizado de máquina estão aprimorando a experiência de jogo ao personalizar jogos e prevenir trapaças. Elas otimizam a experiência de jogos em VR, tornando-a mais imersiva e interativa.

Os avanços indicam que a integração da Internet das Coisas (IoT) e VR nos jogos on-line continuará a evoluir, oferecendo experiências de jogo mais imersivas e personalizadas no futuro.

Pontos importantesIntegração da IoT no Jogo On-line
Melhoria na Experiência do UsuárioDispositivos da IoT (smartphones, dispositivos vestíveis) tornam o jogo acessível.
Jogos PersonalizadosDispositivos da IoT são utilizados para oferecer experiências de jogo personalizadas.
Dados em Tempo Real e Apostas no JogoA IoT possibilita dados em tempo real e aprimora as apostas durante o jogo.
Melhoria na SegurançaA IoT aprimora medidas de segurança, protegendo os dados do usuário.
Integração com VR/ARA IoT facilita a integração de VR/AR, transformando a experiência de jogo.
Apostas Ativadas por VozAssistentes ativados por voz permitem uma experiência de apostas sem usar as mãos.
Fonte: SiGMA

Gráficos de altíssima qualidade e tecnologia háptica avançada estão diluindo as fronteiras entre a realidade e a ficção. Gráficos de alta fidelidade proporcionam um alto nível de fotorrealismo, aprimorando a experiência de jogo. Hápticos avançados permitem que os usuários interajam com o mundo digital por meio de feedback tátil e sensações.

Tecnologias de rastreamento de olhos e movimentos estão aprimorando a experiência de jogo. A tecnologia de rastreamento de olhos otimiza a mira de armas, a seleção de menus e a ativação de eventos no jogo com um simples olhar. O rastreamento de movimentos refinado melhora a precisão, velocidade e sensibilidade do rastreamento, utilizando tecnologia de sensor aprimorada e algoritmos avançados.

O áudio espacial está aprimorando a experiência imersiva do jogo. O som é tridimensional, melhorando a narrativa do jogo com sons em vez de palavras.

Além dos jogos on-line, a tecnologia VR está se mostrando útil em vários aspectos de outras indústrias, como na saúde. Ela permite que profissionais se conectem entre si a partir de locais remotos. Equipamentos de VR proporcionam um ambiente tridimensional completo para ensinar estudantes e têm ajudado muitos deles com limitações físicas a participar das aulas. Em fábricas, é usada uma combinação de AR e VR para aumentar a eficiência das linhas de montagem e reduzir o tempo de ciclo. Isso demonstra o potencial dessas tecnologias além dos jogos, indicando um futuro promissor para a IoT e VR em diversas indústrias.

O Professor Dingli ressaltou que, ao abraçarmos essa nova era, “percebemos que o futuro está aqui e é virtual”.

Rixa entre duas gigantes tecnológicas

No mundo em constante evolução da tecnologia, a competição é intensa e implacável. Mark Zuckerberg lançou uma crítica direta ao novo headset da Apple.

O Vision Pro tem causado impacto na indústria tecnológica, com celebridades como Diplo e T-Pain sendo vistas usando-o em público. Sua funcionalidade “passthrough”, que permite aos usuários verem o ambiente ao seu redor enquanto usam o headset, tem sido especialmente elogiada. No entanto, em um vídeo gravado usando o próprio recurso de “passthrough” do Quest 3 da Meta, Zuckerberg insistiu que o headset de sua empresa é “o melhor produto, ponto final”.

“Passthrough” é uma funcionalidade utilizada nos mais recentes headsets de realidade mista. Ela utiliza câmeras na parte externa do headset para fornecer aos usuários uma transmissão de vídeo ao vivo em alta definição de seu entorno. Isso permite que os usuários usem um headset enquanto caminham ou se exercitam. A Meta tem trabalhado nessa tecnologia há grande parte de uma década, e ela também está presente em produtos concorrentes, como o PlayStation VR 2 da Sony.

Pontos importantesMeta vs Apple
RecursosComparação entre os headsets Quest 3 e Vision Pro
PreçosA crítica da Meta aos produtos de alto custo da Apple
Feedback do UsuárioZuckerberg afirma que o Quest 3 é “o melhor produto”
Tecnologia PassthroughAmbas Meta e Apple utilizam a tecnologia “passthrough”
Perspectivas FuturasO potencial da realidade mista em jogos, socialização e educação
Concorrência e InovaçãoIndícios de moldar o emergente campo da realidade mista
Fonte: SiGMA

Zuckerberg expressou frustração com o fato de o Vision Pro estar sendo elogiado por tecnologia que já existe em outros lugares. Ele afirmou: “Eu acho que o Quest é o melhor produto, ponto final”. Ele prosseguiu expressando surpresa pelo fato de muitas pessoas presumirem que o Vision Pro seria de maior qualidade simplesmente por ser um produto da Apple e custar US$ 3.000 a mais. Ele argumentou que o Quest é superior para a maioria das atividades para as quais as pessoas usam esses headsets, apesar da diferença de preço.

Várias pessoas começaram a postar nas redes sociais sobre a devolução de seus headsets da Apple. O gerente de produto Parker Ortolani elogiou o dispositivo, mas disse que as “compensações físicas simplesmente não valem a pena”. Essa opinião parece ecoar a crítica de Zuckerberg ao Vision Pro.

Zuckerberg passou grande parte do vídeo tentando destacar por que o Quest 3 era melhor, citando razões que variavam desde a capacidade de se movimentar facilmente sem um cabo, socialização e, acima de tudo, a diferença de preço. Ele afirmou: “Eu esperava que o Quest fosse a melhor opção para a maioria das pessoas, pois é realmente bom e é sete vezes mais barato.”

Ele também insistiu que o Quest 3 tinha um campo de visão mais amplo e uma tela mais brilhante. Embora tenha reconhecido que o Vision Pro tinha algumas vantagens, como uma resolução mais alta, ele ficou “surpreso com quantas compensações tiveram que fazer” em outras áreas para alcançá-las.

Mark Zuckerberg Testa o Apple Vision Pro

Foi uma surpresa para muitos quando Zuckerberg criticou diretamente os “fanboys” que “ficam chateados sempre que alguém se atreve a questionar se a Apple será a líder” em um tipo de tecnologia. Ele argumentou que cada geração de computação possui um modelo aberto e um fechado, referindo-se à forma como a Apple controla o que pode ou não ser instalado em seus dispositivos.

Essa disputa entre a Meta e a Apple destaca a intensa competição na indústria de tecnologia. À medida que as empresas se esforçam para superar umas às outras, os consumidores podem se beneficiar da inovação resultante e do avanço tecnológico.

A SiGMA News conversou com o Professor Alexei Dingli sobre o impacto significativo da Internet das Coisas (IoT) na indústria de jogos on-line. Ele é um especialista global em inteligência artificial e destaca o papel de sofisticados sistemas de detecção de fraudes com IA na mitigação dos riscos associados aos jogos on-line.

Atenção! A próxima conferência SiGMA Eurásia acontecerá em Dubai entre 25 – 27 de fevereiro

A próxima conferência SiGMA África acontecerá na Cidade do Cabo entre 11-13 de março!

A quarta edição da SiGMA Eurásia será realizada novamente no InterContinental Dubai Festival City. Entre 25 e 27 de fevereiro de 2024, a conferência oferecerá oportunidades inestimáveis para os participantes fazerem networking com profissionais da indústria, terem contato com as últimas tecnologias e inovações do setor, se encontrarem com os principais tomadores de decisão e obterem insights sobre novos mercados.
SiGMA África começa em Cape Town, África do Sul, em 11 de março. Construído sobre o sucesso da sua edição inaugural em Nairóbi, Quênia, em janeiro de 2023, o Grupo SiGMA reconhece a necessidade de promover a colaboração e inovação dentro da indústria.
 

Share it :

Recommended for you
Júlia Moura
há 2 dias
Júlia Moura
há 2 dias
Lea Hogg
há 2 dias
Lea Hogg
há 3 dias