Visão da SiGMA: Operadores ilegais na Geórgia são um problema para empresas, sociedade e estado

Content Team há 1 ano
Visão da SiGMA: Operadores ilegais na Geórgia são um problema para empresas, sociedade e estado

Uma proibição recente em relação a jogos foi estabelecida para pessoas com menos de 25 anos na Geórgia. Funcionários públicos, indivíduos que trabalham em agências governamentais e aqueles que recebem benefícios sociais também foram proibidos de jogar. Isso significa que 1,4 milhão de indivíduos foram proibidos de jogar na jurisdição. O licenciamento de cassinos on-line está sob escrutínio e há uma proibição adicional de jogos de azar organizados a bordo de navios nas águas do território georgiano.

Falando com a SiGMA News, George Mamulaishvili, chefe de administração da Associação de Jogos de Azar da Geórgia (GGA), esclarece a questão da legislação de jogos de azar na Geórgia.

Especialista e consultor em legislação nos Bálcãs e na região pós-soviética, Mamulaishvili explica, como resultado de extensa pesquisa e colaboração, a publicação de vários materiais sobre questões legislativas relacionadas a cassinos físicos e on-line na região com um foco particular na Geórgia. Mamulaishvili enfatiza como a UE exigia o licenciamento de cassinos on-line e apostas esportivas, mas isso não era aceitável para o setor empresarial. Além disso, desde março, ele aponta que a publicidade na televisão e nas plataformas on-line foi proibida, com exceção das operadoras que podem patrocinar clubes e eventos esportivos. Ele acrescenta que as mudanças em vários impostos e imposto de renda de 15% resultaram em um aumento da receita bruta do jogo (GGR) para 10%. A segunda parte do projeto de lei entrou em vigor em março do ano passado. Apesar das restrições de idade e proibição de grupos vulneráveis e funcionários da função pública, os cidadãos estrangeiros podem jogar em cassinos físicos se tiverem mais de 21 anos e, para plataformas on-line, os titulares de passaporte estrangeiro precisam ser maiores de a idade de 18 anos.

Requisitos monetários

Mamulaishvili referiu-se aos requisitos do Moneyval e à necessidade de abordar as leis e diretrizes contra a lavagem de dinheiro. Ele diz que, embora o setor de jogos de azar ainda esteja em risco, o licenciamento em si não é um problema.

“A tarefa da Moneyval é disseminar a política de padrões internacionais na área de combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo (AML/CFT) para os países europeus. Temos um sistema de monitoramento financeiro na Geórgia sob o Ministério das Finanças e eles sempre funcionam por recomendação da UE. Esta é uma das recomendações para o status da Geórgia.” George Mamulaishvili, Chefe de Administração – Associação de Jogos de Azar da Geórgia

Ele destaca que a segunda alteração já foi adotada no final do ano e entrará em vigor no início de junho de 2024. “A estrutura da lei é o motivo pelo qual é inaceitável para nós, por conta da quantidade de impostos”, ele esclarece. Haverá três licenças: uma licença de cassino, uma licença de caça-níqueis e uma licença de apostas esportivas. Isso significa que, se um operador possui um cassino físico, um salão de clube de caça-níqueis e um escritório de apostas, a licença custará 100.000 GEL (US$ 39.140) cada. “Até agora, havia duas licenças em que as taxas são divididas trimestralmente em GEL 250.000 (US$ 96.000) de acordo – portanto, há duas taxas, neste caso”, acrescenta Mamulaishvili. “E se você não tiver instalações físicas, uma licença de cassino custará GEL 5.000.000 (US$ 1.957.000) por ano, um clube de máquinas de caça-níqueis custará GEL 1.000.000 (US$ 391.400) e uma casa de apostas custará GEL 1.000.000 (US$ 391.400).

Cada legislação tem consequências negativas

Apenas sete operadores de jogos on-line estão licenciados para operar na jurisdição. “A licença adicional entrou em vigor em 2021 e dá permissão às operadoras para fornecer jogos on-line. Uma licença para operar esta atividade custa GEL 100.000 (US$ 39.140). Todo jogo deve ser certificado pelo GLA ou outro laboratório credenciado.” Os operadores de jogos on-line também exigirão aprovações adicionais antes que os serviços possam ser oferecidos na jurisdição.

Regulamentos rígidos de jogos de azar entraram em vigor no ano passado, proibindo a publicidade de jogos de azar na TV, plataformas externas e sites georgianos. As operadoras possivelmente poderão assinar contratos de patrocínio, principalmente no esporte. A permissão para cada jogo on-line disponibilizado pelas operadoras ao público custará GEL 100.000 (US$ 36.974).

Meios de comunicação

Várias sociedades civis que compõem o grupo de lobby de Coalização de Defesa dos Meios de Comunicação (MAC) têm se oposto fortemente às restrições adicionais, especialmente aquelas relacionadas à publicidade. Eles alegam que a pesquisa não foi completa o suficiente e o lobby alegou que as descobertas não eram particularmente precisas porque não foram apoiadas por avaliações de especialistas. O MAC acredita que as novas reformas prejudicaram as poucas emissoras nacionais. Consequentemente, a Fórmula TV da Geórgia divulgou que as receitas de publicidade do setor de jogos representam atualmente cerca de 25% de todas as receitas de publicidade, com quase todos os programas de entretenimento na rede sendo patrocinados por empresas de apostas. O grupo de lobby da mídia apontou que a perda de receita com a publicidade de jogos de azar certamente resultaria em um efeito dominó que resultaria na incapacidade das redes de TV por falta de recursos. Em última análise, isso pode significar que as redes podem ficar sem escolha a não ser fechar.

Jogos de azar nos Balcãs

Mamulaishvili compara o setor de jogos de azar na Geórgia com outros países dos Bálcãs. Ele diz que em 2021, a Geórgia teve a melhor legislação em relação a impostos. O país teve uma pontuação alta em todos os outros pontos. As recentes reformas trouxeram alguns problemas que incluem o surgimento de muitas empresas ilegais operando no mercado, especialmente on-line.

“A legislação nos Bálcãs difere da legislação na Geórgia, embora não radicalmente”, argumenta Mamulaishvili. Por exemplo, na Romênia, o governo está planejando aumentar a taxa de imposto em até 40% para saques de ganhos de um cassino on-line. Isso certamente causará grandes problemas no setor de jogos de azar romeno. Sem dúvida, os clientes tentarão encontrar outros mercados onde possam jogar e retirar seus ganhos com uma taxa de imposto menor. Mamulaishvili conclui que também há uma série de problemas nos procedimentos de jogo responsável na Sérvia e em outros países dos Bálcãs. Embora parte da legislação nos países dos Bálcãs seja semelhante à legislação da Geórgia, a legislação na jurisdição georgiana mudou para se tornar mais voltada para os negócios em 2021.

“A Geórgia tem um sistema de identificação e verificação bem regulamentado.” afirma Mamulaishvili.

Associação de jogos de azar da Geórgia

A Associação de jogos de azar da Geórgia (GGA) é uma entidade legal sem fins lucrativos e não comercial que atua no setor de jogos de azar e protege os interesses comerciais legítimos das empresas associadas.

Mamulashvili diz que, independentemente das mudanças na legislação, nenhum diálogo construtivo ocorreu ainda.

“Vários acordos foram alcançados em relação à publicidade em plataformas estrangeiras para atrair jogadores estrangeiros. Definitivamente, precisamos de uma reforma legal para atrair jogadores estrangeiros e banir operadores on-line ilegais dentro da jurisdição georgiana. Sem essas mudanças, será difícil lidar com sites ilegais. Também é importante reduzir o limite de idade, pois isso se tornará um problema para o mercado georgiano a longo prazo. Posso, ainda, acrescentar que é precisamente por causa deste tipo de mudança que muitos operadores ilegais surgiram no mercado. Infelizmente, eles são um problema não apenas para as empresas, mas também para a sociedade e o Estado. ” George Mamulaishvili, Head of Administration – Georgian Gambling Association

A melhor maneira de eliminar os operadores ilegais, diz Mamulaishvili, é desenvolver bons relacionamentos e ajudar os operadores legais. A proibição não beneficia, mas, pelo contrário, o Estado recebe um efeito contrário das duras leis implementadas. “Os negócios devem ser controlados, mas dentro de limites razoáveis que no futuro beneficiará não só os negócios, mas também a sociedade e o Estado.”

SiGMA News conversou com George Mamulaishvili, chefe de administração da Associação de Jogos da Geórgia

 

Artigos relacionados:

Visão da SiGMA: ESL consolida a jornada de e-sports de Malta

Visão da SiGMA: Jogos na Tailândia

ATENÇÃO:  SiGMA Ásia  – Festival Mundial de iGaming acontecerá em Manila de 19 a 22 de julho.

 

Share it :

Recommended for you
Júlia Moura
há 9 horas
Júlia Moura
há 1 dia
Júlia Moura
há 1 dia
Shirley Pulis Xerxen
há 1 dia